CRIE SUA CONTA NO FACEBOOK E JUNTE-SE A NÓS

Loja Virtual

O Recanto da Beleza no eshops Mercado Livre

Click Aqui e Visite O Recanto da Beleza

Perfumes Importados e Nacionais - Maquiagens e Cosméticos - Presente Para data Comemorativa

Todos os Produtos em até 12x Sem Juros.
Pronta Entrega Para Todo Brasil.

Aqui Você Pode Comprar Sem Medo.

MÁGOA

“Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra.” A frase do poeta e dramaturgo inglês William Shakespeare reproduz exatamente o efeito desse sentimento negativo, que é alimentado pelas más lembranças e que provoca até reflexos na saúde. Pessoas ressentidas comumente sofrem de gastrite nervosa, úlcera e tem mesmo mais disposição para desenvolver o câncer.


Compromete a autoestima e prende permanentemente a pessoa no papel de vítima, impedindo a superação do problema. Além disso,estudos recentes mostram o impacto de sentimentos negativos, como a mágoa e o rancor,no sistema cardíaco.A psicanalista Lindalva Moraes explica que a pessoa ressentida sente necessidade de alimentar a dor, fortalecendo a posição de injustiçada,e confirma que esses sentimentos negativos podem acabar influenciando numa piora da saúde, colaborando para o aparecimento de sintomas físicos e até de doenças graves, como o câncer. “Isso só começa a mudar quando a pessoa passa a analisar a situação, tentando entender se teve alguma culpa naquilo que aconteceu.

O questionamento é o primeiro passo,depois é tentar abstrair o sentimento negativo”,diz.Segundo o professor de Psicologia Júlio Rique Neto, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), existem diversas formas de controlar a mágoa, mas somente o perdão é capaz de fazer as pessoas realmente superarem esses anseios. “Mesmo aquelas que têm o sentimento de vingança, não se sentem melhor depois que quem lhes fez mal paga por isso.

O ressentimento não passa”, explica. “Se existe alguém que conseguiu superar uma situação de traição sem perdoar, não conheço, nunca passou pelo meu consultório ou respondeu às minhas pesquisas”, enfatiza o pesquisador,que desenvolve estudos sobre o desenvolvimento sociomoral e o perdão.A estudante de nutrição Jéssica da Silva, de 19 anos, conseguiu aliviar a mágoa perdoando o namorado. Quando era mais jovem se relacionou com um homem mais velho que a magoou intensamente.

O namorado pediu perdão, conseguiu reconquistar o coração da jovem e hoje os dois estão juntos há mais de 1 ano. “Quando a pessoa mostra arrependimento verdadeiro, a gente consegue perdoar. O perdão também faz bem para quem está sofrendo. É um recomeço.

E nós dois conseguimos superar a situação”,conta.O Forgiveness Institute (Instituto do Perdão) da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, se dedica a estudar cientificamente os benefícios do perdão e defende a prática. O psicólogo Robert Enright, uma das autoridades no tema, explica que quando uma pessoa perdoa,ela exerce o aprendizado da virtude moral. “O perdão é como a paciência, bondade, justiça e o respeito. Em todas essas virtudes, não existem pré-requisitos para oferecê-las. A pessoa não precisa ser justa para receber lealdade, por exemplo. E o mesmo funciona para o perdão.Nós podemos oferecê-lo aos outros sempre que desejarmos. O perdão é incondicional,assim como a justiça”, diz.

Patrícia da Silva Armani, prima do eletricista brasileiro Jean Charles (que foi morto injustamente pela polícia de Londres há 6 anos), confessa não saber se perdoou a chefia da Scotland Yard e os policiais que mataram o primo. “Eu tentei superar. Nos últimos anos tenho evitado pensar nisso. Quando eu lembro, a dor volta. Não sinto rancor dos policiais, afinal eles estavam cumprindo ordens do Ian Blair (chefe da polícia londrina na época). Dele eu guardo mágoa”, diz. Segundo Enright, não é fácil perdoar qualquer tipo de erro e muitas pessoas não conseguem perdoar injustiças terríveis, como no caso do assassinato de um ente querido.

A norte-americana Robin Casarjian foi estuprada quando era jovem e, apesar da violência que sofreu, lutou para conseguir superar o rancor que sentia pela situação. “O que muitas vezes as pessoas não entendem é que perdoando estamos fazendo um favor a nós mesmos. O perdão serve para nos libertar da prisão emocional da raiva, ressentimento e infelicidade. É um presente que damos a nós mesmos”, destaca Robin, que se tornou terapeuta especializada no trato de preconceitos e raivas e escreveu “O Livro do Perdão — O Caminho para o Coração Tranquilo”.

O estudo científico sobre o perdão explodiu na última década e pesquisas mostram que pessoas que perdoam sofrem menos ansiedade e depressão. Segundo Robin, durante recente Reunião Anual da Sociedade de Medicina Comportamental dos Estados Unidos, uma pesquisadora da Duke University Medical Center afirmou que os benefícios do perdão estão correlacionados com o aumento da função imunológica em pacientes com o vírus HIV.

Além de dar a sensação de liberdade, como afirma Robin, o ato de desculpar pode fazer muito bem à saúde de quem consegue realizá-lo. Segundo o professor da UFPB, pessoas que sofrem de estresse cardíaco após uma grande decepção restauram as funções do coração depois que conseguem perdoar o outro, assim como as que tinham alterações de pressão, retomam o ritmo normal após relevarem o rancor e perdoarem. “O perdão reestabelece o controle emocional e físico do corpo, além de reabilitar a dignidade e o
bem-estar da vítima”, afirma.

O operador de telemarketing Péricles de Souza Macedo, de 19 anos, acredita que esse sentimento negativo realmente afeta a saúde. “Quem guarda ressentimento fica doente, faz mal para cabeça e para corpo. É muito ruim”, diz. Ele se considera uma pessoa que sabe perdoar e lembra que já exercitou a prática algumas vezes na vida.

“Descobrimos que as pessoas que foram tratadas injustamente tendem a ter menos energia se não perdoarem. Perdão adiciona vitalidade, acrescenta alegria, e isso tem um efeito positivo no sistema cardiovascular já que a raiva incessante é prejudicial”, relaciona o psicólogo Robert Enright. A última pesquisa feita na Universidade de Wisconsin mostra que quem perdoa apresenta um grande crescimento da autoestima e da esperança no futuro. Os resultados serão explicados no próximo livro do estudioso chamado “A Vida Perdoa”, que será lançado em breve pela Associação Americana de Psicologia.

No outro lado, para ser verdadeiramente perdoado, primeiramente a pessoa que cometeu a injustiça deve se arrepender do erro que cometeu. “Se queremos o perdão do outro é importante assumir total responsabilidade por aquilo que fizemos, pedir desculpas e tentar fazer as pazes. Mas a decisão de perdoar ou não cabe a outra pessoa”, explica Robin.

A terapeuta destaca ainda que mesmo quando o pedido de desculpa não é aceito, a pessoa precisa trabalhar o autoperdão, para entender o que a levou a cometer aquele comportamento negativo.

Por Talita Boros

Um comentário:

Luciane disse...

Adoro ler seu blog..
é uma fonte de conhecimentoo...
que Deus a abençoe muitoo..
beijos

AVISO SOBRE DIREITOS AUTORAIS. Todos direitos reservados. Você não pode copiar, distribuir, exibir, executar, TEXTOS OU MENSAGENS DESSE BLOG sem que seja dado crédito ao autor.

Arquivo do blog

" Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos." Salmos 119:105.

HOME

Disse Jesus : "...Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida."(Jo.8:12).

Translate